the moving north | a primavera vem do norte








(67)



(68)


(1-5)
a primavera vem do norte |spring comes from north
vidro e chuva | glass and rain
tempestade | storm
vidro e condensação | glass and condensation
mato | bush
lagoa | lagoon
devastação | devastation
falésia | cliff
aberta | aberta
algas |algae
areia | sand
duna | dune
Marta Castelo, 2018
impressão a jacto de tinta em papel fine art 100% algodão, 25x20 cm

(6)
vista da exposição com Marta Castelo e Teresa Projecto

(7-10)
queimadura | burn
Teresa Projecto, 2018
grafite s/ papel, 135x200 cm

(11)
vista da exposição com Catarina Domingues, Ana Mata e Anabela Mota

(12-18)
Série para Diotima | Series for Diotima
Catarina Domingues, 2018
serigrafia, 28,5 x 37 cm 

(19-22)
sem título | untitled
Ana Mata, 2018
díptico, acrílico s/ tela e madeira, 15 x 23 cm

(23-31)
sentindo um norte | feeling a north
Anabela Mota, 2018
acrílico s/ papel, 29x42 cm

(32)
vista da exposição com Anabela Mota e Sara Belo


(33-38)
cabana / fogueira | hut / bonfire
Sara Belo, 2018
díptico, pastel de óleo s/ papel vegetal, 93 x 125,5 cm

(39)
vista da exposição com Sara Belo e Anabela Mota

(40-41)
respirar | to breathe
Anabela Mota, 2018
instalação de vídeo digital

(42-46)
the moving north, a primavera vem do norte
Anabela Mota, 2018
instalação de vídeo digital

(47-63)
the yellow moving north: yellow, moving, north, the yellow process
Nádia Duvall, 2018
instalação, desenhos s/ papel e plexiglass amarelo, 5 x 7 cm

(64-66)
flame | fiction
Ana Mata, Catarina Domingues, 2018
instalação de vídeo digital

(67)
respirar | to breathe
Anabela Mota, 2018
instalação de vídeo digital

(68)
the moving north, a primavera vem do norte
Anabela Mota, 2018
instalação de vídeo digital


ver folha de sala 






Exposição do colectivo humor líquido no Maxilla Space, Londres, março 2018. Curadoria de Ana Carolina Rodrigues.


*


The moving north conveys an image of movement which is present at the core of immobility, a paradox that is articulated by the images and objects we have gathered from the following idea: spring comes from the north.

We propose the vision of a particular atmospheric state, an association of temperaments present both in nature and in human emotions, so often indefinable, strange, paradoxical. The vision we propose, born out of this liquid humor, is based on the need to express the melancholy, but also the fecundity, of that which is ambiguous. We chase an agitation, the arousing of something growing beneath the cold frost of winter, the commotion of spring.


The moving north is an installation of painting, drawing, sculpture, video and photography proposed by the artistic collective humor líquido for Maxillaspace, London, and curated by Ana Carolina Rodrigues.

*


The moving north evoca uma imagem de movimento presente no fundo da imobilidade, um pradoxo que é articulado pelas imagens e objectos que reunimos a partir da seguinte ideia: a primavera vem do norte.

Propomos assim a visão de um estado atmosférico particular, uma relação de humores presente, tanto na natureza, como nas comoções humanas, tantas vezes indefiníveis, estranhas, paradoxais. A visão que propomos, nascida deste humor líquido, funda-se na necessidade de expressar a melancolia, mas também a fecundidade, daquilo que é ambíguo. Perseguimos uma agitação, a insinuação de algo que cresce sob a geada do inverno, a comoção da primavera.

The moving north é uma instalação de pintura, desenho, escultura, vídeo e fotografia proposta pelo colectivo humor líquido para o Maxillaspace, em Londres, com curadoria de Ana Carolina Rodrigues.

*